fbpx

Brasil perdeu 60 milhões de doses da CoronaVac em 2020, diz Dimas Covas à CPI Por Reuters



© Reuters. CoronaVac em São Paulo
22/1/2021
REUTERS/Amanda Perobelli

Por Maria Carolina Marcello e Lisandra Paraguassu

BRASÍLIA (Reuters) – O presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas, afirmou nesta quinta-feira à CPI da Covid que ofereceu ao governo federal em julho do ano passado 60 milhões de doses da CoronaVac a serem entregues ainda em 2020, e que o Brasil poderia ter sido o primeiro país do mundo a começar a imunização contra a Covid-19 depois da China, mas não houve resposta por parte do Ministério da Saúde.

Segundo Covas, o Butantan pediu ainda apoio do governo federal em recursos para o estudo clínico no Brasil da vacina desenvolvida pela chinesa Sinovac (NASDAQ:) e investimento de 80 milhões de reais para reforma do laboratório para ampliar a capacidade de produção, o que também não foi atendido.

Covas confirmou que as negociações com o Ministério da Saúde avançaram a partir de outubro, com a promessa de entrega de 100 milhões de doses, e intensas negociações entre as equipes técnicas do ministério e do instituto.

O presidente do Butantan disse que chegou a ser convidado pelo então ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, para um evento em que a CoronaVac seria anunciada como “vacina do Brasil”, mas lembrou que o acordo foi desfeito após declaração do presidente Jair Bolsonaro contra a vacina.

“O outro dia de manhã, infelizmente, essas conversações não prosseguiram porque houve uma manifestação do presidente da República dizendo que a vacina não seria incorporada”, disse Covas.

Segundo ele, o atraso na negociação com ministério atrasou o cronograma e o Brasil perdeu posição na lista de atendimento por parte da Sinovac, o que levou a um atraso em todo o fornecimento e no início da vacinação, que só ocorreu em janeiro deste ano.

“O Brasil poderia ter sido o primeiro país a começar a vacinação não fossem esses percalços”, afirmou. “Poderíamos ter começado antes, seguramente, se houvesse agilidade maior de todos os atores, se tivéssemos trabalhado juntos”.

O presidente do Butantan também afirmou à CPI que atrasos no recebimento de insumos da China para fabricação da CoronaVac colocam em dúvida a concretização do contrato de 100 milhões de doses até 30 de setembro.

Perguntado pelo relator da CPI, Renan Calheiros (MDB-AL), sobre o motivo da recusa do governo federal em comprar a CoronaVac desde o início, o presidente do Butantan disse acreditar que “houve um descompasso de entendimento da importância da vacina dentro do contexto da pandemia”.

Declaração de Riscos: Fusion Media would like to remind you that the data contained in this website is not necessarily real-time nor accurate. All CFDs (stocks, indexes, futures) and Forex prices are not provided by exchanges but rather by market makers, and so prices may not be accurate and may differ from the actual market price, meaning prices are indicative and not appropriate for trading purposes. Therefore Fusion Media doesn`t bear any responsibility for any trading losses you might incur as a result of using this data.

Fusion Media or anyone involved with Fusion Media will not accept any liability for loss or damage as a result of reliance on the information including data, quotes, charts and buy/sell signals contained within this website. Please be fully informed regarding the risks and costs associated with trading the financial markets, it is one of the riskiest investment forms possible.





Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *