fbpx

Mourão lamenta “profundamente” ausência de Salles em reunião do Conselho da Amazônia Por Reuters



© Reuters. 15/07/2020
REUTERS/Adriano Machado

BRASÍLIA (Reuters) – O vice-presidente e coordenador do Conselho Nacional da Amazônia, Hamilton Mourão, disse nesta quarta-feira lamentar “profundamente” o fato de o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, não ter participado da reunião do colegiado, em meio a críticas dentro e fora do país de falta de empenho do Brasil em combater o desmatamento na região amazônica.

“Nós precisamos de cooperação, foi o que conversei com os ministérios aqui presentes. Lamento profundamente a ausência do ministério mais importante e que não compareceu à reunião hoje nem não mandou representante, que é o Ministério do Meio Ambiente, lamento profundamente”, disse Mourão.

O Brasil tem sido pressionado por governos e investidores a aperfeiçoar sua atuação no combate ao desmatamento e queimadas na região sob pena de não haver a ratificação, por parte de países europeus, do acordo de livre comércio da União Europeia com o Mercosul.

Não bastasse isso, por ordem do Supremo Tribunal Federal, o ministro do Meio Ambiente foi alvo na semana passada de uma operação de busca e apreensão de documentos e materiais eletrônicos em seus endereços, além de ter tido quebrado sigilos bancário e fiscal de janeiro de 2018 até maio deste ano.

Um dia depois da operação e sem se referir diretamente a ela, o presidente Jair Bolsonaro chamou Salles de “excepcional ministro” e se queixou de dificuldades que ele tem tido com “setores aparelhados” do Ministério Público.

Durante a entrevista coletiva do conselho, questionado sobre a investigação que envolve Salles, Mourão preferiu não se manifestar diretamente. Afirmou que é preciso aguardar o resultado das apurações. “Ninguém pode condenar o ministro a priori”, disse.

INDICADORES

O vice-presidente admitiu que os indicadores de desmatamento nos meses de março e abril pioraram e que neste mês a situação “não está boa”. Ainda assim, ele disse que pretende se empenhar para garantir uma redução do desmatamento na região em 15% até julho, conforme havia proposto, e que se for necessário vai recrutar o uso das Forças Armadas.

O vice-presidente disse que vai avaliar pelos próximos 8 a 10 dias se vai fazer a requisição das Forças Armadas e destacou que elas, se forem acionadas, têm condições de “imediatamente entrarem em ação”.

O coordenador do grupo disse que o projeto de regularização de terras poderá reduzir a burocracia para o setor, embora não mexa nos pilares do Código Florestal. “De acordo com a avaliação da nossa equipe, é uma lei visando a desburocratização de determinados empreendimentos sem mexer no principal instrumento que é o Código Florestal.”

(Reportagem de Ricardo Brito)

Declaração de Riscos: Fusion Media would like to remind you that the data contained in this website is not necessarily real-time nor accurate. All CFDs (stocks, indexes, futures) and Forex prices are not provided by exchanges but rather by market makers, and so prices may not be accurate and may differ from the actual market price, meaning prices are indicative and not appropriate for trading purposes. Therefore Fusion Media doesn`t bear any responsibility for any trading losses you might incur as a result of using this data.

Fusion Media or anyone involved with Fusion Media will not accept any liability for loss or damage as a result of reliance on the information including data, quotes, charts and buy/sell signals contained within this website. Please be fully informed regarding the risks and costs associated with trading the financial markets, it is one of the riskiest investment forms possible.





Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *