fbpx

Bolsonaro ataca CPI da Covid e diz que Pazuello “acertou em tudo” Por Reuters



© Reuters. 16/12/2020
REUTERS/Ueslei Marcelino

Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) – O presidente Jair Bolsonaro atacou nesta quinta-feira em sua transmissão semanal ao vivo pelas redes sociais os trabalhos da CPI da Covid do Senado e disse que o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello, um dos principais alvos da comissão de inquérito, “acertou em tudo” no enfrentamento à pandemia de Covid-19.

Na transmissão, Bolsonaro chamou a CPI de “palanque” e disse que o depoimento do ex-presidente da Pfizer (NYSE:) (SA:) do Brasil Carlos Murillo acabou com a narrativa de que era possível começar a vacinação com imunizante ainda no ano passado.

Na verdade, o executivo confirmou na CPI que a Pfizer tentou oferecer ao Brasil desde agosto do ano passado contrato para fornecimento de imunizantes ao país já em dezembro de 2020, mas que a oferta ficou sem resposta por cerca de dois meses.

Bolsonaro tem alegado que haveria entraves a serem superados, como aval da Anvisa e impasse burocráticos e legais, que impediram a compra da vacina da Pfizer. No entanto, outros imunizantes foram negociados pelo governo este ano mesmo sem aprovação da Anvisa.

“Acabou a narrativa, não podíamos vacinar ano passado, era um contrato que tinha muita incerteza jurídica, além da incerteza sanitária, isso aí começou com o Pazuello e praticamente acabou com ele (a aquisição da vacina)”, disse.

“Fizemos a coisa certa, Pazuello acertou em tudo o que fez ano passado, está tudo esclarecido”, acrescentou.

Apesar da fala do presidente, o Brasil só teve acesso a vacinas do laboratório recentemente, tendo fechado acordo somente em março.

Os comentários do presidente sobre Pazuello e os trabalhos da CPI ocorrem no dia em que a Advocacia-Geral da União (AGU) entrou com um habeas corpus no Supremo Tribunal Federal (STF) para garantir o direito de o ex-ministro permanecer em silêncio e não ser preso no depoimento que vai prestar à comissão na próxima quarta-feira, dia 19.

Em agenda pela manhã em Alagoas, Estado do relator da CPI, Renan Calheiros (MDB), Bolsonaro chamou o senador de “vagabundo”, mesmo xingamento usado na véspera pelo filho do presidente, o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), durante depoimento do ex-secretário da Presidência Fábio Wajngarten.

Na live, Bolsonaro disse que Renan precisa fazer as pazes com o eleitor de Alagoas porque está “meio queimado lá”. Ele afirmou ainda que a CPI está ajudando politicamente o governo.

Declaração de Riscos: Fusion Media would like to remind you that the data contained in this website is not necessarily real-time nor accurate. All CFDs (stocks, indexes, futures) and Forex prices are not provided by exchanges but rather by market makers, and so prices may not be accurate and may differ from the actual market price, meaning prices are indicative and not appropriate for trading purposes. Therefore Fusion Media doesn`t bear any responsibility for any trading losses you might incur as a result of using this data.

Fusion Media or anyone involved with Fusion Media will not accept any liability for loss or damage as a result of reliance on the information including data, quotes, charts and buy/sell signals contained within this website. Please be fully informed regarding the risks and costs associated with trading the financial markets, it is one of the riskiest investment forms possible.





Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *